Escolha sua região:

Blog Operaction


Miniescavadeiras cada vez mais presentes no Brasil

06/06/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Miniescavadeiras cada vez mais presentes no Brasil

Com preços cada vez mais em conta elas começam a aparecer em todas as obras brasileiras. O seu pequeno tamanho,aliado a extrema versatilidade destas miniescavadeiras demonstraram ser ágeis e resistentes. São usadas principalmente onde existem áreas com restrição de espaço, como prédios, escavações em ruas e rodovias, serviços rentes a muros, preparação de alicerces, paisagismo, abertura de piscinas, demolições e remoção de entulhos entre outros. O frete acessível e a facilidade de transporte reforçam esta preferência.

Devido a formidável expansão no setor imobiliário na região sul e sudeste as maiores concentrações se encontram ali. O preço da mão de obra e a falta de trabalhadores qualificados contribuíram também para a procura deste tipo de equipamento.

O mercado de locação tem sido o diferencial para o aumento de usuários desse tipo de máquina, principalmente nos grandes centros, com as proibições de transporte de equipamentos com maior porte.

As tecnologias compactas, a cada ano se aprimoram e conseguem executar tarefas mais complexas com eficiência surpreendente. Estas miniescavadeiras possuem um opcional que permite o uso de martelo hidráulico muito utilizado em demolições facilitando a remoção de paredes e concreto com extrema facilidade. Outro atrativo e o preço de aquisição mais acessível isso tem atraído muitos investimentos no setor de locação que, segundo dados das fabricantes, tornou-se o maior consumidor dessas pequenas máquinas nos últimos tempos.

Existe uma enorme gama de equipamentos que variam de uma dez toneladas todas com tecnologia semelhante e baixo custo operacional.

Redigido Paulo Tagliaferri


Minicarregadeiras e seus tipos de cinematismo

04/06/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Os Skid Steer Loaders também conhecidos como minicarregadeiras estão cada vez mais numerosos nas obras de construção civil no Brasil. Devido ao seu tamanho e espaços para manobras reduzidos, são ótimos para realizar movimentação de materiais como areia, cimento, brita e todos insumos da construção civil em lugares de difícil acesso para outros equipamentos de construção, eliminando com eficiência o trabalho braçal.

Além da construção, as minicarregadeiras ganham espaço em outros campos de trabalho, como por exemplo, no agronegócio, seja na fazenda movimentando adubo e esterco animal, ou perfurando postes, transplantando arvores e outras aplicações não convencionais. Nos depósitos de areia em substituição da mão de obra no carregamento de areia em caminhões e materiais paletizados. Mas o que ocorre quando substituímos empilhadeiras em locais em que estas não são recomendadas devido à existência de pisos irregulares. Devemos obsevar que antes de adicionamos um garfo pallet e encaramos qualquer desafio, devemos analisar o tipo de carga a ser manuseada, seu peso especifico e condições do terreno, atentando-se também para o tipo de braço de levantamento existente na minicarregadeira, se é do tipo radial ou vertical.

Levantamento Radial

O braço de levantamento radial é o tipo mais simples e o primeiro a ser utilizado nas minicarregadeiras das mais variadas marcas.

O levantamento deste tipo de braço é chamado de Radial porque o curso do pino de articulação da caçamba (ou do implemento acoplado) mantém a mesma distância em relação ao pino de articulação do braço junto à máquina. Se você reparar, conforme o braço da minicarregadeira sobe a caçamba avança para frente e depois aproxima-se novamente da máquina.

Vantagens

  • Design compacto;
  • Menor peso;
  • Melhor visibilidade do operador;
  • Menor custo de aquisição e manutenção.

Desvantagens

  • Altura de alcance reduzida;
  • Menor capacidade de carga.

Aplicações

  • Ambientes confinados;
  • Nivelamento e acabamento de terrenos;
  • Carregamento de pequenos caminhões;
  • Ideal para trabalhos “abaixo da altura dos olhos”.

Levantamento Vertical

O braço de levantamento vertical é o mais atual e cada vez mais utilizado pelos fabricantes devido à procura do mercado para este tipo de minicarregadeira.

O levantamento vertical tem esta denominação porque a caçamba sobe verticalmente quase que em linha reta mantendo a mesma distância em relação a máquina, muitas vezes, até afastando-se ligeiramente em direção à frente. Neste tipo, o braço da máquina ao mesmo tempo em que sobe ou desce também se movimenta para frente ou para trás aumentando o alcance da caçamba, garfo pallet ou implemento.

Vantagens

  • Maior altura de alcance;
  • Maior capacidade de carga (geralmente 16% maior);
  • Maior alcance em relação à máquina (até 40% maior).

Desvantagens

  • Tamanho maior;
  • Maior custo de aquisição e manutenção;
  • Mais pontos de articulação para lubrificar;
  • Menor visibilidade traseira do operador.

Aplicações

  • Carregamento de caminhões com altura maior;
  • Nivelamento de terrenos;
  • Carga, descarga e movimentação de Pallets;

Redigido por - Paulo R. Tagliaferri

 


Dicas de segurança

31/05/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Operação máquinas pesadas próximas à rede elétrica em áreas rurais

 

Acidentes com a rede elétrica também acontecem em áreas rurais, principalmente onde ocorre o uso de máquinas pesadas, como escavadeiras e carregadeiras, que chegam a atingir alguns metros de altura acima do solo, tocando em redes elétricas ou provocando o desmoronamento do terreno e a queda de estruturas se a escavação for feita muito próxima destas e caminhões basculantes, que podem atingir os fios da rede elétrica durante o basculamento da caçamba.

 

A operação dessas máquinas requer, entre outros procedimentos, análise prévia do local para se evitar acidentes com a rede elétrica. Os principais tipos de acidentes ocorrem quando há a aproximação da máquina ou do operador com os fios da rede elétrica, provocando choque elétrico e danos à máquina e à rede.

 

Saiba onde estão as linhas elétricas em seu local de operação e observe-as quando estiver na área. Preste atenção se há algo diferente nas linhas, como fios pendurados

ou ausentes (o que pode significar que estão no chão).

Ao se aproximar das linhas elétricas, certifique-se que os implementos e acessórios de sua máquina estejam o mais baixo possível. Se você não tiver certeza, então pare e verifique.

Quando ocorre o contato com a rede elétrica.

Permaneça na cabine ou na maquina até que alguém venha e verifique o local e a linha de tensão. Lembre-se, você não pode enxergar tudo o que está em volta e sob a sua máquina. As coisas podem parecer seguras para você, mas alguém no chão pode enxergar mais e fazer um melhor julgamento.

 

Fique calmo e pare sua máquina. Coloque o câmbio em ponto neutro, acione o freio de estacionamento e desligue o motor.

Solicite assistência.

Delimite o perímetro com cones para se certificar de que todos as outras pessoas permanecam fora desta área .

Confira as dicas de segurança para evitar acidentes com a rede elétrica:

 

- Ao escavar, deve-se observar onde estão os fios das redes elétricas e também as estruturas (torres de transmissão e postes de distribuição). Não escavar muito próximo destas estruturas;

-Não toque, nem se aproxime dos fios arrebentados ou caídos, nem das pessoas ou objetos em contato com eles, como cercas metálicas, postes de ferro ou varais de roupa.

-No caso de colisão com um poste, não saia da maquina se o fio estiver sobre ela. Você poderá tomar um choque se tocar no chão e a maquina ao mesmo tempo, pois fechará um curto-circuito. Se precisar sair do equipamento devido a um incêndio, abra a porta ou janela de emergência e pule com os dois pés juntos, o mais longe possível, sem tocar a lataria do veiculo; Se você não for a vítima, mas a testemunha do acidente, instrua as pessoas da maquina sobre como proceder para sair da mesma e chame imediatamente a companhia elétrica.

-Guindastes, dragas, escavadeiras, tratores, carregadeiras,caminhões basculantes, maquinário agrícola, etc, devem operar longe da rede elétrica.

-Cuidado com a operação de máquinas pesadas ou agrícolas. Sempre que for realizar serviços próximos a rede elétrica, verifique se existe possibilidade de encostar alguma parte da máquina nos mesmos,mantenha sempre uma distância segura.

 

-Evite estacionar embaixo de redes de alta tensão..

Caso de Choque Elétrico

• Nunca toque na vítima enquanto ela estiver recebendo a corrente elétrica. Esse contato pode ser fatal também para quem está tentando dar socorro.

• Observe as condições do local do acidente. Se estiver em segurança, desligue os disjuntores o mais rápido possível.

• Se não for possível desligar a corrente, utilize material isolante, como borracha, madeira seca, cabo de vassoura, jornal dobrado, cano plástico, corda, para afastar a vitima do contato elétrico.

• Depois de interromper a corrente elétrica, tome as seguintes providências; Peça socorro imediatamente, ligando para o Corpo de Bombeiros, pois é preciso ser rápido. Os primeiros minutos após o choque são vitais para o acidentado;

• Se a vítima estiver inconsciente, coloque-a em uma superfície plana e inicie os procedimentos de primeiros socorros;

• Mantenha a vítima deitada de barriga para cima, com a cabeça inclinada para trás;

• Verifique a respiração e os batimentos cardíacos da vítima. Caso a pessoa apresente sinais de parada cardiorrespiratória, inicie imediatamente as manobras de reanimação.

• Ao carregar a vítima, tome muito cuidado para não complicar eventuais lesões, principalmente na coluna vertebral.

Caso de Tempestade

  • Evitar estar perto de tratores, máquina agrícola, acessórios metálicos.
  • Evitar locais como, lagos, praias, árvores isoladas, postes, pontos elevados.

           • Afastar-se do topo de colinas, de áreas abertas (onde você passa a ser o ponto                mais alto), cercas de arame, varais metálicos e qualquer outro objeto condutor de eletricidade.

 

           • No solo lembre-se de manter os pés juntos: ao atingir o solo a descarga elétrica se propaga em ondas concêntricas, como quando se atira uma pedra na água, gerando diferenças de potencial elétrico no chão. Mantendo os pés juntos, você evita a passagem da eletricidade.

  • Se você não conseguir abrigo, entre na cabine da maquina. Se a maquina for atingida, a carcaça de metal vai conduzir a eletricidade ao redor de você, e não através de seu corpo. Certifique-se de que todas as janelas e portas estejam fechadas. Não use o rádio.
  • Não opere carregadeiras, tratores ou qualquer máquina agrícola que não tenha cabine metálica fechada.

Redigido por - Paulo R. Tagliaferri

 


Aplicação de maquinas pesadas na agricultura

30/05/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Aplicação de maquinas pesadas na agricultura

As maquinas são conhecidas por seus trabalhos na construção e estradas mas cada vez mais novas aplicações vem surgindo principalmente na agricultura (agronegócio).Abaixo conheceremos o que fazem estas maquinas:

Tratores de Esteiras:

Usados nas fazendas do interior servem para desmatar áreas para plantio de culturas, na abertura de estradas, formação de pastos, construção de barragens e lagoas.

Escavadeiras hidráulicas:

Utilizadas nas usinas canavieiras para a formação de curvas de nível, preparo de solo e limpeza de rios e mananciais. São também usadas para recuperarem áreas alagadas abrindo drenos específicos em campos encharcados

Pás carregadeiras:

Aplicadas principalmente no transporte de bagacinho, pó extraído da moagem da cana de açúcar destinado atualmente à geração de energia; Nas fazendas ajudam na construção de barragens e lagoas. Na extração de madeiras movimentam toras e seus subprodutos e carregamento de carvão. Em criatórios intensivos de bovinos limpam as fezes do gado.

Retroescavadeiras:

Trabalham na manutenção de estradas e no dia a dia das fazendas, na limpeza de pequenos córregos e lagoas como em plantações de arroz no sul do país.

Manipuladores telescópicos:

No campo para carregamento de big bags de adubo, gesso, calcário e fardos de palhas geradoras de energia / biomassa, sementes a granel ou em pallets, dentro de usinas de cana de açúcar e álcool para carregamento e armazenagem de big bags de açúcar e fertilizantes. Na pecuária de corte ou leiteira, atuam no carregamento de silagem (alimento do gado), ração e fardos de feno.

Minicarregadeiras:

Jardinagem, ideais em fazendas e granjas, tanto para limpeza ou manipular materiais (ração, fardos, sementes, esterco,etc) em locais confinados onde máquinas maiores não conseguem entrar.

Redigido por - Paulo R. Tagliaferri


ARLA 32

09/05/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Consiste na dissolução de ureia de alta qualidade e pureza em água desmineralizada e ou destilada na proporção de 32,5% em peso.

Funciona como um reagente que é usado juntamente com o sistema de Redução Catalítica Seletiva (SCR) para reduzir quimicamente as emissões de óxidos de nitrogênio presentes nos gases de escape dos veículos a diesel.

Não é explosivo, nem inflamável nem danoso ao meio ambiente. O ARLA 32 é classificado como produto de categoria de risco mínimo no transporte de fluidos. Se você derramar ARLA 32 em suas mãos, basta lavá-las com água.

Não é um combustível, nem um aditivo de combustível e precisa ser utilizado em um tanque específico em seu veículo diesel SCR. O O ARLA 32 não pode ser misturado ao diesel. Todos os veículos P7/ Euro V têm um tanque para o ARLA 32, com tampa azul, separado e devidamente identificado.

Abaixo as principais especificações do Arla 32:

Uréia: 31,8. 33,2 % por peso

Alcalinidade com o NH3: Máximo 0,2 % por peso

Biureto: Máximo 0,3 % por peso Insolúveis: Máximo 20 mg/kg

Aldeído: Máximo 5 mg/kg

Fosfato (PO4-3): Máximo 0,5 mg/kg

Alumínio: Máximo 0,5 mg/kg

Cálcio: Máximo 0,5 mg/kg

Ferro: Máximo 0,5 mg/kg

Cobre: Máximo 0,2 mg/kg

Zinco: Máximo 0,2 mg/kg

Crômio: Máximo 0,2 mg/kg

Níquel: Máximo 0,2 mg/kg

Magnésio: Máximo 0,5 mg/kg

Sódio: Máximo 0,5 mg/kg

Potássio: Máximo 0,5 mg/kg

Densidade a 20ºC: 1087.0. 1093.0 kg/m³

Índice de refração a 20ºC: 1,3814. 1,3843 (-)” (N.R.)

O consumo médio de ARLA 32 é de 5% do consumo de diesel, de maneira que será necessário abastecer muito menos ARLA 32 do que diesel. Serão utilizados cerca de 5 litros de ARLA 32 para cada 100 litros de diesel. A necessidade de reabastecimento do ARLA 32 será indicada no painel do veículo. O ARLA 32 deve ser mantido em sua embalagem original, em local seco e arejado, ao abrigo da luz solar.

Também é conhecido como AdBlue, como AUS 32 (Aqueous Urea Solution)

Atenção: Para economizar minimamente, alguns motoristas,especialmente frotistas, estão tentando produzir, de forma caseira, uma solução de ureia que se assemelhe ao Arla 32, Obviamente, o produto falsificado não atinge as mesmas especificações do Arla 32, que é aprovado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Como o Arla 32 é injetado diretamente no cano de escapamento, após a combustão do diesel, qualquer impureza irá diretamente ao catalisador SCR, que é muito sensível a contaminantes e pode ser danificado de forma irreversível: Um catalisador para veículo com motor Euro V e tecnologia SCR pode custar até R$ 20 mil e é justamente a peça que mais contribui para a baixa emissão de poluentes. Outras partes como bombas e bicos injetores, podem ser afetados por produtos fora de especificação.

Os veículos P-7 (fase 7 do Proconve) sem o componente de pós-tratamento de gases (SRC) funcionando corretamente, seriam um desastre ambiental. Seria como se voltássemos 25 anos do ponto de vista de emissões. Os motores P-7 produzem uma quantidade muito elevada de NOx se comparados aos veículos da fase anterior, porém, com o sistema SCR, essas emissões são reduzidas a níveis muito baixos. Em função disso, as montadoras foram obrigadas a instalar o sistema OBD, que verifica, em tempo real, o funcionamento do sistema SCR. Sem o Arla 32, o veículo não funcionará corretamente.. Com o catalisador danificado, ou qualquer outro problema no sistema SCR, o motorista será informado no painel através de uma luz indicativa e, após 48h de mau funcionamento, o OBD cortará a potência do motor, (Aprox. 25% a 40% do seu torque) até que o tanque seja abastecido corretamente..

O OBD (On Board Diagnose), sistema de diagnóstico de falhas a bordo, é um novo equipamento obrigatório nos veículos P7, que monitora e registra permanentemente mais de 200 possibilidades de falhas, especialmente as do sistema de pós-tratamento do gás de escapamento. O OBD atua quando algo está errado e alerta o motorista por meio de luzes indicadoras no painel. Ocorrendo uma falha grave, a perda de torque será percebida já após a primeira partida do veículo. No caso de outros tipos de falha, será indicada a necessidade de reparação em um prazo de até 48 horas. O manual do proprietário de cada modelo de maquina,caminhão ou ônibus trará as informações sobre cada código e qual providência deve ser tomada.

Nos veículos dotados do sistema SCR, é grave a não utilização do ARLA 32 ou a diluição com outros produtos, como água, diesel, etc. Se o veículo rodar com o tanque vazio por longo tempo, também poderá ter problemas. A utilização de um diesel que não seja S10 será identificada pelo OBD nos veículos dotados do sistema SCR ou EGR (que dispensa o uso do ARLA 32), e o torque do motor também poderá ser reduzido, fora os eventuais danos ao catalisador. Os sensores de NOX instalados no sistema de escapamento devem estar sempre em bom estado e em perfeito funcionamento, caso contrário, o torque do veículo também poderá sofrer reduções.

 

 


Extintores nas maquinas pesadas

05/05/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

EXTINTORES NAS MAQUINAS PESADAS

 

Desde janeiro de 2005 os extintores de incêndio,tornaram-se  equipamento de uso obrigatório nos veículos automotores, elétricos, reboque e semirreboque, de acordo com o Artigo 105 do Código de Trânsito Brasileiro.

  1. Tipos de Extintores

O tipo de extintor a ser utilizado em maquinas pesadas deve ser adequado para fogos das classes A, B e C e ter capacidade não inferior a 4 kg.

 

  1. Localização dos Extintores na Maquina

O extintor deve estar colocado próximo do banco do operador, de forma a facilitar a sua utilização em caso de urgência;

Os extintores devem estar colocados de forma claramente visível ;

Os extintores podem estar protegidos contra o roubo ou vandalismo, desde que tal não impeça o fácil acesso em caso de emergência.

Os extintores de incêndio deverão exibir a Marca de Conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO, e ser fabricados atendendo, no mínimo, as especificações existentes.

O Extintor deve ser mantido carregado e com a data de validade visível e atualizada;

O operador deve estar treinado no manuseio do extintor em qualquer momento e circunstância.

 

  1. Recomendações na Utilização do Extintor

Manter o extintor em posição vertical;

Quebrar o selo de segurança existente e que garante que este ainda não foi

usado;

O jato deve ser dirigido para a base das chamas e não para o meio destas;

Efetuar movimentos de semicírculo, tentando cobrir toda a área de chamas;

É importante que o jato seja contínuo e nunca com interrupções, de preferência devem ser utilizados vários extintores ao mesmo tempo

Após o uso ou ao final da validade recomenda-se troca do extintor imediatamente.

 

        4.  O rótulo dos extintores de incêndio devem conter:

- de que o indicador de pressão não está na faixa vermelha;

- de que o lacre está íntegro;

- da presença da marca de conformidade do INMETRO;

- de que o prazo de durabilidade e a data do teste hidrostático do extintor não estão vencidos;

- de que a aparência geral externa do extintor está em boas condições (sem ferrugem, amassados ou outros danos)”.

 

Redigido por -  Paulo R. Tagliaferri

Tags: Extintor

Consevando suas ferramentas

15/04/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Conservando suas ferramentas

As ferramentas são itens essenciais para termos acesso a determinados componentes na manutenção das maquinas, devendo estar sempre íntegras e sem ferrugens.

A ferrugem é o resultado colhido quando  não fazemos a limpeza de nossas ferramentas.

Para evitar que as peças enferrujem, não se deve fazer a limpeza com água, mas sim aplicar óleo a cada seis meses. Se a peça tiver uma ferrugem leve, o óleo pode servir para limpar. Basta aplicar o produto e esperar alguns minutos até a ferrugem soltar, removendo-a com pano e lembrando que uma nova aplicação deve ser feita para proteger a ferramenta. Ferramentas de aço, por serem de material diferente, costumam levar mais tempo para enferrujar, e os aços menos nobres precisam de maior quantidade de anticorrosivo que aços mais nobres.

Regra básica, limpar suas ferramentas logo após o uso, seja ele qual for.

Uma outra forma de prevenção contra a ferrugem é evitar umidade em suas caixas.

Para isso, coloque saquinhos de sílica gel, tantos quanto conseguir, junto das ferramentas.Sílica gel pode ser encontrada em embalagens ou comprada em lojas especializadas.

As ferramentas, quando bem conservadas, podem durar mais de dez anos.

 

Redigido por -  Paulo R. Tagliaferri

Tags: Ferramentas

Economizar combustível: uma necessidade real

12/03/2014
Enviado por Paulo Tagliaferri

Com a elevação do preço do óleo diesel todos os proprietários de equipamentos começam a se preocupar com as despesas do mesmo.

Um bom operador de maquinas ou motorista de caminhão tem que ficar atento a maneira de conduzir durante sua jornada, abaixo algumas dicas importantes:

1- Dirija / Opere sempre com as rotações do motor dentro da faixa verde do conta-giros, procurando encontrar a velocidade econômica de deslocamento  proporcionando prazer, conforto e principalmente segurança no trabalho.
A faixa ideal encontra-se na rotação de torque maximo do motor.

2- Evitar deixar o motor em marcha lenta por longos períodos. Desligue-o mesmo ao estacionar.

3- Antes de começar a jornada planeje mentalmente o trajeto a ser percorrido até a frente de trabalho. Isso evitará deslocamentos desnecessários ou possíveis congestionamentos.

4- Ao trocar as marchas evite o repique no acelerador.

5- Evite a sobrecarga do equipamento minimizando esforços no carregamento da caçamba, excesso de carga nos caminhões, marchas reduzidas fora de hora e principalmente sobregiros no motor.

6- Uma vez por semana calibre todos os pneus a temperatura ambiente.

7- Não use "banguela" procure manter uma marcha engrenada ou freio motor conforme o caso.

8-  Nas rodovias e estradas mantenha distância, evite freadas bruscas e desacelerações desnecessárias. Opere / dirija de forma preventiva antevendo possíveis problemas.

9-  Abasteça em postos de confiança que garantam a qualidade do diesel, drene a água do combustível sempre que necessário.Combustível adulterado altera drasticamente o desempenho do motor aumentando o consumo e reduzindo a sua vida útil.

10-  Finalmente uma dica básica, efetuar a manutenção periódica do equipamento, trocando o óleo e filtros do motor. Em condições ideais de funcionamento há redução de consumo e de emissões, alem de ganhos em segurança.

 

 

Arquivo

Buscar Tags

NÚVEM DE TAGS

Seja um operador de máquinas

Operaction é uma empresa especializada em equipamentos de construção e terraplanagem. Oferecemos treinamentos de operadores e outros trabalhos neste segmento.

© 2019 Operaction